Osteoporose

O que é osteoporose?

Em termos simples, a osteoporose consiste no adelgaçamento e enfraquecimento dos ossos, que atinge todos nós, à medida que envelhecemos.  Se esta deteriorização dos ossos não for tratada, nosso esqueleto tornar-se-á extremamente frágil, e alguns ossos provavelmente quebrar-se-ão – ou sofrerão fratura – devido a trauma muito pequeno.

Embora o processo de perda óssea se inicie gradualmente na faixa de trinta e quatro a trinta e nove anos, é tão lento que pode levar muitos anos até darmos conta dele.  As mulheres, de um modo geral, correm maior risco de desenvolver osteoporose do que os homens porque, depois da menopausa, elas apresentam uma rápida perda óssea do esqueleto devido à diminuição da produção de estrogênio.

Geralmente a perda óssea é um processo indolor, até o momento em que ocorre a fratura.  Por conseguinte, as mulheres não imaginam que possam ter osteoporose até que, de repente, aos cinqüenta, sessenta ou setenta anos de idade, vão se dar conta dela, ao sofrerem, inesperadamente, uma fratura dolorosa.

A maneira mais comum pela qual a mulher pode descobrir que está com osteoporose é quando fratura o punho ou quadril após uma queda sem importância.  Outras mulheres, à medida que envelhecem, percebem que estão diminuindo de estatura ou se encurvando (corcunda de viúva), ou notam que suas roupas não estão mais caindo bem.  Isto ocorre quando as vértebras – os ossos que formam a coluna – se tornam tão frágeis que um simples movimento corriqueiro, tal como tossir ou carregar algo, pode provocar o seu colapso.

Este colapso das vértebras é, muitas vezes, extremamente doloroso.  Fraturas osteoporóticas, particularmente as de quadril e coluna, acarretam com freqüência dor significativa e incapacidade.  Embora a fratura do punho freqüentemente se restaure com pouca deformidade residual, a paciente, muitas vezes, não se recupera completamente da fratura de quadril ou coluna.  A incapacidade resultante, pode afetar a capacidade de trabalhar e de cuidar da família, e pode ser tão grave que a mulher passa a depender de familiares ou de pessoas da comunidade.

Após a menopausa, quase todas as mulheres correm maior risco de desenvolver osteoporose, embora certas características do estilo de vida, bem como hereditariedade o fatores médicos, possam aumentar ainda mais esse risco.

O que você pode fazer para evitar a osteoporose ? 

Não podemos desacelerar a marcha do tempo, ou alterar os efeitos que o envelhecimento provoca em nossos corpos.  no entanto, existem providências que você pode tomar a fim de reduzir os riscos de desenvolver osteoporose.  Lembre-se, ainda que você já tenha atravessado há muito a menopausa, ou seu médico já lhe tenha dito que tem osteoporose, nunca é tarde demais para agir.  Seu médico vai orientá-la.

Mudando seu estilo de vida

Existe, à nossa disposição, grande quantidade de informações sobre o modo de melhorar a saúde em geral, e muitas dessas informações estão relacionadas aos nossos ossos.
Deixe de fumar

Se você ainda não deixou de fumar pelo bem de seus pulmões, coração e circulação, a osteoporose é mais uma razão para você parar !

Há diversos métodos para ajudá-la a parar de fumar, e seu médico estará apto a orientá-la quanto à escolha daquele que for mais apropriado para você.

Reduza o consumo de bebidas alcoólicas

Uma pequena quantidade de álcool pode não prejudicá-la, mas se você bebe regularmente, pode aumentar o risco de desenvolver osteoporose.  Seu médico estará apto a orientá-la quanto à necessidade ou não de reduzir o consumo de álcool, e como fazê-lo.

Faça exercícios

Exercitar-se regularmente ajuda a evitar perda óssea e é benéfico também para o coração.

Para se beneficiar dos exercícios, você não precisa se exercitar vigorosamente.  É mais importante que o faça regularmente.  Um passeio com o cão todos os dias é muito melhor do que uma vigorosa partida de tênis uma vez por semana.  É fundamental não se esforçar muito no início, principalmente se você não tem se exercitado ultimamente.

Ainda que esteja confinada à casa ou, na verdade, já tenha osteoporose, existem alguns exercícios simples que podem ser feitos.  Antes de iniciar qualquer programa de exercícios físicos, você deve consultar seu médico.

Use cálcio no regime alimentar

Uma das maneiras mais importantes de reduzir o risco de desenvolver osteoporose é, antes de mais nada, ter um esqueleto forte.  Ao nos certificarmos de que as crianças dispõem de uma boa quantidade de cálcio em seu regime alimentar, nós nos asseguramos de que seus ossos estejam fortes.  Depois dos 20 até os 30 anos de idade, nossos ossos param de crescer, mas indícios claros sugerem que é importante manter uma ingestão adequada de cálcio, seja qual for a sua idade.

Os seguintes alimentos são ricos em cálcio:

Leite           770 mg/500 ml (integral ou desnatado)

Queijo        760 mg/100 g

Iogurte       150 mg/100 g

Pão             7,3 a 45 mg/fatia

Sardinhas   440 mg/100 g

Brócolis      100 mg/100 g

Ovos           27 mg/ovo

Outras fontes alimentícias ricas em cálcio incluem salmão, espinafre, soja, amendoim e todos os produtos lácteos, como sorvete.  Para a maioria dos adultos, recomenda-se ingestão diária de 1000 mg de cálcio; no entanto, se você já tiver passado da menopausa, deve aumentar sua ingestão para 1500 mg.

Se em seu regime alimentar você não estiver ingerindo cálcio de forma adequada, seu médico estará apto a orientá-la sobre a necessidade de tomar um suplemento alimentar.

E se você já estiver com osteoporose ?

Você deve discutir com seu médico sobre os diversos tratamentos disponíveis.  É possível evitar qualquer futuro enfraquecimento de seus ossos.  Todas as medidas que você possa tomar para a prevenção da osteoporose ajudarão, também, a retardar a progressão da doença.

É de importância vital exercitar-se (com cuidado), limitar o consumo de álcool e parar de fumar.  Você deve aumentar a ingestão diária de cálcio para 1500 mg ou mais.  É bem provável que você precise tomar um suplemento para atingir as necessidades mínimas diárias de cálcio recomendadas.

Seu médico também poderá recomendar um tratamento de reposição hormonal, se for o caso, ou outros tratamentos com novos medicamentos, dependendo da gravidade da doença e de outros fatores.  Seu médico está preparado para discutir as diversas opções terapêuticas disponíveis atualmente.